NORMAS PARA REFORMA EM APARTAMENTO

12/12/2015

Em 2014, a ABNT publicou a NBR 16.280, esta norma regulamentando reforma na área privada em edifícios.

Qualquer obra que altere ou comprometa a segurança da edificação, deve ser comunicada ao síndico, por meio de um projeto de reforma e laudo técnico. Se o imóvel estiver em garantia, o proprietário do imóvel também deverá informar a construtora / incorporadora.

O condômino deve apresentar um projeto, assinado por um engenheiro ou arquiteto, detalhando o que será feito no imóvel. Após a apresentação deste documento, o síndico analisará os impactos que a reforma causará na estrutura do edifício, decidindo se autorizará ou não a reforma.

No projeto deve constar a programação detalhada da obra, tempo estimado da intervenção, além dos materiais utilizados.

Não é qualquer interferência que precisará de um laudo do arquiteto ou engenheiro. Serviços de manutenção (troca de torneira) e pequenos reparos (pintura nas paredes e colocação de gesso), por exemplo, não precisam. Contudo, as interferências abaixo listadas necessitarão de autorização de um profissional da área:

- Instalação ou reforma de equipamentos industrializados;

- Reforma do sistema hidrossanitário;

- Reforma ou instalação de equipamentos de prevenção e combate a incêndio;

- Instalações elétricas;

- Instalações de gás;

- Reforma ou instalação de aparelhos de automação;

- Instalação de qualquer componente à edificação, não previsto no projeto original ou em desacordo com o manual de uso, operação e manutenção do edifício ou memorial descritivo;

- Troca de revestimento com uso de marteletes ou ferramentas de alto impacto, para retirada do revestimento anterior;

- Qualquer reforma para substituição ou que interfira na integridade ou na proteção mecânica;

- Qualquer reforma de vedação que interfira na integridade ou altere a disposição original;

- Qualquer intervenção em elementos da estrutura, como furos e aberturas, alteração de seção de elementos estruturais e remoção ou acréscimo de paredes.

- Reforma ou instalação de ar-condicionado, exaustão e ventilação;

- Qualquer reforma, para alteração do sistema ou adequação para instalação de esquadrias ou fachada-cortina e seus componentes;

Quanto a responsabilidade:

- Pela obra é do profissional que apresenta a ART ou RRT, que poderá ser responsabilizado na justiça comum e no órgão de classe.

- O síndico poderá ser responsabilizado,civil e criminalmente, caso não fiscalize a obra corretamente.

A reforma não poderá bloquear as saídas de emergências e as rotas de fuga e deve constar no plano o destino dos resíduos da reforma.

Agora mão à obra, com segurança e dentro das normas legais.

Por Aline Soares.

*As imagens utilizadas no post não são autorais, todas foram retiradas do google imagem. Caso esteja usando alguma foto sua, por gentileza, entre em contato, para que seja atribuído os devidos créditos.